BDSM e SSC: uma viagem entre sadomasoquismo, bondage e dominação - parte 2

O nascimento do sadomasoquismo

Do ponto de vista etimológico, o termo sadomasoquismo (União de sadismo e masoquismo) nasceu do encontro dos sobrenomes de duas pessoas famosas que foram, em todos os aspectos, os precursores; falamos obviamente do Marquês De Sade e Leopold von Sacher-Masoch.

Sadomasoquismo

Sadismo: leva o nome do aristocrata francês e escritor revolucionário Donatien Alphonse François de Sade, cujos romances eróticos caracterizam-se pela extrema crueldade das práticas sexuais a que estão sujeitas as infelizes protagonistas.

Masoquismo: o termo deriva do nome do escritor austríaco Sacher-Masoch, cujo mais famoso poema autobiográfico "Venus nas peles”, conta a história de um escritor que assina um contrato como escravo com uma mulher tão bonita quanto cruel, acabando por ser ele próprio também o objeto das atenções mórbidos e brutais do amante dela. Um texto, portanto, certamente mais contemporâneo e mais próximo da definição atual de sadomasoquismo. Mas a consagração deste neologismo tem uma gestação longa e atribulada que remonta a meados do século 19, na alvorada da psicologia moderna.

Marquês de Sade

O médico alemão Richard von Krafft-Ebing identificou o sadismo e o masoquismo como "anomalias sexuais” separadas, mas relacionadas entre si, dizendo que o sadismo é "a experiência de sensações sexuais prazerosas (orgasmo incluído) produzidas por atos de crueldade, castigos corporais infligidos sobre uma pessoa, até em presença de outros (...) Também pode consistir em um desejo inato de humilhar, castigar, ferir o outro com a finalidade de obter prazer sexual. ' O diferencial do masoquismo não é tanto, de acordo com Krafft-Ebing, o relacionamento especial entre prazer e dor, como o acitar o mecanismo de servidão e escravidão. Mas se o termo sadismo já havia aparecido em diversos textos, foi Krafft-Ebing que cunhou a palavra masoquismo enquanto Sacher-Masoc ainda estava vivo, coisa que o escritor não aprovou por nada.

Mais um passo em frente para a definição moderna de sadomasoquismo foi feito graças ao psiquiatra inglês Henry H Ellis que, em seu estudo, usou a palavra Algolagnia (do grego "àlgos" dor e lagneia "gozo"), para dar uma definição de prazer erótico que uma pessoa obtém junto com a dor (tanto infligido quanto sofrido), definindo os dois estados emocionais como complementares, ao invés de opostos. Em essência, a frente e o verso de uma folha, os dois lados da mesma moeda. Mérito de H. Ellis, foi, sem dúvida, dar ao proto-sadomasoquismo uma imagem não estritamente patológica, mas quase tolerável em determinados contextos relacionais (ou seja, dentro de um casal).

Se os dois termos agora estavam estreitamente ligados, foi o antropólogo americano Paul Gebhard para dar o golpe decisivo para a canonização do lema: graças a seus estudos, ele foi capaz de localizar a origem das duas práticas, não só em todas as relações de dominação e submissão, implementadas na sociedade contemporânea, mas também na agressividade instintiva inerente em cada ser humano.